A história da Baat Jaam Dou - Espadas Borboletas do HFY

Sáb, 07 de Julho de 2007 09:54 Administrador
Imprimir PDF

GM Gee com Baat Jam Do

A evolução das Espadas Borboletas do Wing Chun que usamos hoje prosseguiu através de três estágios primários de desenvolvimento. O primeiro estágio foi o de sua criação como uma arma defensiva designada para não matar criada pelos monges Shaolin.

Originalmente, as Espadas Borboletas eram muito diferentes das espadas do Wing Chun que vemos hoje. As Espadas Borboletas foram designadas para se adequar ao treinamento e necessidades de defesa dos monges Shaolin.

Em harmonia com a filosofia e os preceitos Budistas, os monges designaram a arma para aparar, desarmar e cortar – não para matar. Consequentemente, a lâmina foi estruturada sem fio de corte no topo e na base para ser usada para interceptação das armas de um oponente. Somente as primeiras três polegadas (da parte curva) da lâmina eram afiadas. O resto da lâmina, topo e base, eram sólidos e cegos para aparar sem o propósito de golpes letais.

 

Os monges criaram a lâmina cega nas Espadas Borboletas não somente porque eram armas de autodefesa, mas também porque a lâmina cega proporcionava grossura e suporte extra para estrutura da lâmina. Ter uma lâmina afiada nas Espadas Borboletas seria fácil para cortar, mas por causa da boda fina da espada, a lâmina poderia ser facilmente danificada ou quebrada quando utilizada em combate contra uma armar maior e mais pesada. Por essa razão, os Monges Shaolin preferiram uma lâmina grossa e sem corte.

As técnicas de espadas do Wing Chun de hoje ainda enfatizam aparar, obstruir ou interceptar a arma de um oponente. Isso permanece altamente consistente com o designo e a intenção original da lâmina em si mesma.

No Templo Shaolin, as Espadas Borboletas não eram produzidas em massa devido a seu comprimento. De fato, o comprimento de cada Espada Borboleta era personalizado ao praticante. Especificamente, a lâmina media do pulso ao cotovelo do praticante. Os monges realçavam a necessidade do cume da espada ser proporcional ao praticante. Uma lamina não preparada, usada com intensidade, poderia facilmente prejudicar o usuário e limitar a mobilidade de seus braços e corpo. Em contraste, a largura da lâmina não era muito grande. Tinha três polegadas (cerca de sete centímetros e meio) do topo à base começando da empunhadura e estendendo-se até o início da curvatura da lâmina próximo da ponta. As três polegadas de largura foram escolhidas devido a sua aproximação com a largura do pulso desenvolvido de um homem. A espessura da lâmina variava, dependendo do fabricante da espada, mas geralmente eram um oitavo de polegada (cerca de trinta e dois mintímetros) de comprimento máximo. O cabo da espada era uma proteção na forma de um gancho com ponta aberta. Os monges usavam essa proteção para controlar a arma do oponente para desarmá-lo rapidamente. Novamente, isso se mantinha consistente com a Filosofia Budista – desarmar um inimigo sem ter que mata-lo. Mesmo assim, as Espadas Borboletas de Shaolin eram consideradas armas pequenas diante as demais. Isso era intencional já que os monges queriam ocultar as espadas sob suas roupas quando viajavam. Assim eles poderiam andar em público sem ser questionados ou transmitirem uma imagem imprópria sobre seus ensinamentos Budistas. Como notado acima, o uso Shaolin das lâminas estava profundamente enraizado na crença Budista. Logo, matar não era uma opção. Tanto a lâmina quanto o método de treinamento para utilizá-la estava concentrado em aparar, desarmar e cortar. Era considerado mais humano cortar cirurgicamente tendões e juntas, pois assim se tiraria o oponente de combate sem ter que mata-lo.

A mudança na forma e na função da espada foi um resultado direto da criação do Sistema de luta Wing Chun com intenção específica de treinar revolucionários para combater as tropas imperiais da Dinastia Qing. De acordo com o Hung Fa Yi Wing Chun Kuen, a forma das Espadas Borboletas Duplas vista no Shaolin Kung Fu foi a primaira criada pela Fut Pai Hung Mun (Budista Hung Mun). A Fut Pai Hung Mun era uma Sociedade Secreta que existia dentro do próprio Templo Shaolin do Sul. O principal objetivo dessa sociedade era opor-se à Dinastia Qing que surgiu da conquista da China pelos manchus no século XVII, e restaurar a Família Ming ao trono. Eles precisavam de uma arte que fosse eficiente para se treinar e se aplicar. Eles precisavam de uma arte que fosse completa e que consistentemente desenvolvesse a habilidade de arsenal com mãos vazias tanto em curta quanto em longa distância, bem como com uma ou duas mãos. A tradição Hung Fa Yi Wing Chun ensina que dois mestres de Shaolin Wing Chun sobreviveram ao ataque manchu no Templo Shaolin do Sul. Eles são considerados como os que conservaram o sistema Wing Chun vivo. O mais velho dos dois mestres era Yat Chum Dai Si, um Grão-mestre da 22ª geração de Shaolin. O segundo era Cheung Ng (Taan Sau Ng). Existem muito poucas informações sobre a história de Yat Chum Dai Si. A tradição Hung Fa Yi Wing Chun conta que ele foi originalmente treinado no Templo Shaolin do Norte (onde morava) em Song Shan. Ele depois se mudou para o Templo Shaolin do Sul para se juntar ao esforço de secretamente desenvolver o sistema de luta Wing Chun durante a tentativa de se treinar revolucionários para se restaurar a Dinastia Ming ao poder. Foi lá que ele encontrou Cheung Ng.

Cheung Ng é referido com sendo um homem de cultura muito elevada com extensiva experiência prática tanto em habilidades literárias quanto militares. Ele freqüentemente realizava ópera dramática. Acredita-se que ele era originalmente um nativo de Hanbuk e que sua família serviu ao regime Ming por gerações como guerreiros e táticos militares. Os manchus destruíram sua família e Cheung Ng fugiu para o Templo Shaolin do Norte em busca de refúgio. Ele foi aceito como um discípulo Shaolin e treinou no Templo. Foi lá que ele descobriu sobre as atividades de Yat Chum Dai Si no Templo Shaolin do Sul e sobre as reuniões em um lugar chamado Hung Fa Ting, onde se treinava e planejava para a restauração da Dinastia Ming. Ele então deixou o Templo Shaolin do Norte para juntar-se aos rebeldes no Templo Shaolin do Sul. Sob a orientação de Yat Chum Dai Si ele iniciou o estudo da arte que se tornaria o Wing Chun.

Seguindo a destruição do Templo Shaolin do Sul na metade do século XVII, acredita-se que Chueng Ng fugiu para a Província de Guangdong. A cidade de Fatsan é amplamente tida com o berço do Wing Chun. Historicamente é importante notar que Fatsan está na província de Guangdong. E historicamente também é interessante notar que fatsan também é cretidada com sendo o local de origem da Companhia de Ópera do Barco Vermelho. A Tradição Hung Fa Yi Wiing Chun conta que Cheung Ng formaou a Compania de Ópera Vermelha como um disfarce para as atividades rebeldes e para dá suporte a seu ensino do Wing Chun Kung Fu aos líderes rebeldes. A companhia de Ópera era notada por sua disciplina e regras de conduta. Com seus talentosos membros e refinada disciplina, junto com sua avançada forma de viajar através dos rios da China, é lógico afirmar que a Companhia de Ópera do Barco Vermelho foi capaz de promover em segredo o treinamento e a instrução dos guerreiros rebeldes através do Sul da China na arte do Wing Chun.

Esses eventos históricos nos levam ao segundo estágio da evolução das tradicionais Espadas Borboletas de Shaolin para as Baat Jaam Dou de hoje. Esse estágio foi largamente influenciado pela necessidade de luta da Sociedade Secreta Hung Fa Wui (Sociedade da Flor Vermelha) e da Família Hung Gun Biu. Com o passar do tempo, os combates revolucionários contra os manchus e a Dinastia Qing se incrementaram em intenção e as lâminas começaram sua transição de uma orientação defensiva de aparar a arma, para se tornar uma arma ofensiva designada para matar. Para se fazer a lâmina mais sutil para a guerra, os membros da sociedade secreta revolucionária Hung Fa Wui procuraram deixa-la mais letal.

De acordo com a Tradição Hung Fa Yi Wing Chun Kuen, o próprio Cheung Ng modificou as tradicionais espadas borboletas para criar uma prática arma de batalha. Apesar das mudanças que ele fez inicialmente serem sutis, quando combinado com os últimos, já caracterizando a fundação do Wing Chun como um sistema de combate, os resultados foram letais. Essa nova versão das espadas borboletas representou um novo estágio no desenvolvimento da arma e seu uso, mas o conhecimento das modificações e treinamento para usá-las nunca foi revelado por Grão-Mestre Taan Sau Ng ou pela Sociedade Secreta para o público em geral. As espadas modificadas ficaram conhecidas pela Sociedade Secreta como as Espadas Borboletas Duplas do Hung Fa Yi Wing Chun.

As Espadas do Hung Fa Yi Wing Chun eram muito similares às versões tradicionais. A maior parte do topo e da base permaneceu reta. Mas o desenho foi alterado na ponta para se ajusta a movimentos de estocar e perfurar. Para esse fim, eles puseram na frente da lâmina uma curvatura de ponta amolada que dava à lâmina a forma de uma grande adaga. A área do entalhe era então amolada e o sangue escorria pelos lados da lâmina. Isso drenaria o sangue mais rapidamente quando a ponta da lâmina estivesse cravada no estômago ou em outros órgãos.

Apesar das Espadas do Hung Fa Yi Wing Chun geralmente não ser conhecidas pelo público, a Hung Fa Yi Wing Chun ainda pratica com elas de acordo com a forma e as rotinas originais ensinadas por Grão-Mestre Taan Sau Ng. Sua intenção é preservar o conhecimento do uso das espadas e os métodos de empregá-las como os revolucionários treinavam. Com séculos de interação entre os diferentes estilos do Sul da China, as espadas do Wing Chun continuaram a evoluir. A terceira fase da evolução das Espadas Borboletas de Shaolin para as espadas do Wing Chun e a forma de treinamento Baat Jaam Dou que conhecemos hoje se deu no século XIX. Essa moderna versão das Espadas Borboletas tem muitas variações e formas, mas a maior diferença é que todas têm afiada toda a extensão da lâmina. Outro tipo de lâmina também foi desenvolvido durante esse moderno período. Ela é chamada lâmina Cabeça de Tigre. E sua forma tem a mesma característica de fio em toda sua extensão, mas ela também incorpora uma significante curvatura ou arco para metade dianteira da lâmina.

Em suma, há três eras primárias do desenvolvimento das Espadas Borboletas. A partir dessas eras surgiram quatro tipos distintos de lâminas sofrendo grande influência de aplicação relativa a cada período. A primeira lâmina originada por Shaolin. Consistia de uma lâmina de três polegadas de largura com somente três polegadas de lâmina afiada. A próxima lâmina originada com as Sociedades Secretas. Consistia de uma lâmina de três polegadas de largura com uma ponta modificada para torná-la mais letal quando usada para ataque. A terceira lâmina originada na era moderna é famosa por tem fio em toda a extensão da lâmina. A última é a Lâmina do Tigre como sua ponta curva.

Com freqüência, avançados praticantes irão focalizar o treinamento das armas com exame técnico de detalhes do corrente uso e aplicações. Em contraste, uma abordagem desses focos na evolução de uma arma dá ao praticante toda uma nova perspectiva no uso e na aplicação. Esse é o caso das Espadas Borboletas do Wing Chun.

Última atualização em Dom, 31 de Janeiro de 2010 16:28